Gastroplastia Brasil Serviço de cirurgia do Hospital Angelina Caron.

(0xx41) 3679 - 8218

Médico cirurgião

Dr. Wilson Paulo dos Santos (CRM-PR 14204)

Cálculo da vesícula

Mais conhecido como pedra na vesícula, mal atinge até 20% da população brasileira

Estima-se que de 10% a 20% da população brasileira sofra com cálculos (ou pedras, como são popularmente conhecidos) na vesícula.A incidência do problema é bem maior entre o sexo feminino.Mulheres obesas, férteis e com idade em torno dos 40 anos têm predisposição a desenvolver os cálculos na vesícula.Veja, a seguir, como a doença aparece e as formas de tratamento.

Para que serve a vesícula

A função da vesícula é armazenar a bile, um líquido secretado pelo fígado. Ela é estimulada a se contrair quando os alimentos que ingeridos chegam à primeira porção do intestino. Com a contração, ela libera a bile que funciona como um detergente que auxilia na absorção das substâncias gordurosas.

Como se forma a pedra na vesícula

As pedras surgem quando ocorre um desequilíbrio entre a quantidade de água e das substâncias presentes na bile, favorecendo a solidificação da mesma. Podem ocorrer por falta de água ou excesso de alguns dos componentes, particularmente colesterol e pigmentos.

Principais fatores de risco à pedra na vesícula

Idade: Incomum em pessoas jovens, o risco de se desenvolver a pedra na vesícula é 4x maior a partir dos 40 anos de idade.

Sexo: A pedra na vesícula é 3x mais comuns em mulheres do que em homens. A partir dos 60 anos essa diferença cai bastante, pela também queda dos níveis de estrogênio.

Gravidez: Pelo excesso de estrogênio durante a gestação.Reposição hormonal: Também pelo estrogênio.

Obesidade: É o principal fator em jovens, principalmente do sexo feminino.

História familiar positiva: Parentes de 1º grau com história de pedras na vesícula aumenta em duas vezes o risco.

Rápida perda de peso: Grandes perdas de peso em pouco tempo ou dietas com muito baixa caloria também são fatores de risco

Jejum prolongado: Quanto maior o tempo da bile na vesícula, mais desidratada ela fica e maior o risco de formação de pedras.

Sintomas

1. Dores fortíssimas do lado direito do abdômen (são manifestações da vesícula tentando eliminar a pedra)

2. Intolerância a alimentos gordurosos

3. Náuseas e dores de cabeça

Tratamento

O diagnóstico de pedra na vesícula é feito por exame clínico e por ultra-som do abdômen. Quando detectadas as pedras, o médico recomenda a retirada integral da vesícula cuja função passa, então, a ser realizada pelo colédoco (junção dos canais da vesícula e do fígado).

A cirurgia da retirada só é feita se os riscos não forem elevados.O procedimento é feito por laparoscopia, no entanto, se o paciente se recusar a submeter à cirurgia ou apresentar riscos, o problema só é acompanhado, sem intervenções. Nesse caso é aconselhável que o paciente evite o consumo de alimentos gordurosos e há o risco de ele desenvolver um quadro agudo.Nos quadros extremos, pode-se usar antibióticos ou, ainda, retirar, por endoscopia, a pedra que, eventualmente, tenha migrado da vesícula.

Importante:

As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Responsável técnico - Dr. Wilson Paulo dos Santos - CRM-PR (14204) - cirurgião geral - RQE - 12005, Medicina Intensiva - RQE - 12317.

Desenvolvido por: Paulo Henrique