Gastroplastia Brasil Serviço de cirurgia do Hospital Angelina Caron.

(0xx41) 3679 - 8218

Médico cirurgião

Dr. Wilson Paulo dos Santos (CRM-PR 14204)

Síndrome de Dumping Pós-bariátrica

A síndrome de dumping é uma resposta fisiológica devida à presença de grandes quantidades de alimentos sólidos ou líquidos na porção proximal do intestino;

Conjunto de sinais e sintomas decorrentes do esvaziamento gástrico precoce, observada nos pacientes submetidos à Cirurgia Bariátrica (Gastroplastia). Existem basicamente dois tipos:

Precoce: ocorre em até 30 minutos. O conteúdo hiperosmolar da dieta alcança a luz intestinal de forma muito rápida. Isso desencadeia uma translocação de fluídos para a luz intestinal, ocasionando uma resposta vaso-vagal, que se manifesta com taquicardia, sudorese, sensação de morte, sonolência, etc. O uso de açúcares neste paciente piora o quadro.

Tardio: ocorre após 2 horas. Após o alimento alcançar o intestino e ser absorvido, o pâncreas produz uma grande quantidade de [insulina], o que leva o paciente a apresentar o quadro de hipoglicemia. O tratamento neste caso é realizado a base de açúcares.

Orientações

Os pacientes com sinais frequentes de dumping devem ser tratados com modificações dos hábitos alimentares: evitar o consumo de açúcar e doces em geral, fracionar a alimentação em aproximadamente 6 refeições por dia (com baixo volume), não ingerir líquidos durante as refeições (devendo o consumo ocorrer 1 hora antes e 1 hora após a refeição), aumentar o consumo de fibras e mastigar bem os alimentos. Como o consumo de carboidratos deve ser restrito, é necessário aumentar o consumo de proteínas, para suprir a necessidade energética. Em alguns casos a suplementação de fibras pode auxiliar no controle dos sintomas.

Atenção: Se apresentar os sintomas descritos acima, deve-se permanecer sentado ou deitado, até que estas sensações passem. Caso a síndrome de dumping ocorra com freqüência, procure o seu médico.

Importante:

As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Responsável técnico - Dr. Wilson Paulo dos Santos - CRM-PR (14204) - cirurgião geral - RQE - 12005, Medicina Intensiva - RQE - 12317.

Desenvolvido por: Paulo Henrique